Arquivo da categoria: roupas

Arrasta-pé com rasteira ecochic de algodão

As rasteiras da coleção de Romero Sousa, da Z-AZ são lindas e superconfortáveis.

As tiras são de algodão colorido da Paraíba certificado pelo Embrapa (já nasce com a cor, sem aditivos ou corantes). A palmilha é de tecido 100% algodão e a impressão em serigrafia com detalhe de xilogravura de cordel é feita com tinta à base de água. O solado de PVC reciclado. Numeração do 34 ao 39.

Veja outros modelos na loja virtual Babel das Artes.

*Ecologicamente e socialmente justo: A marca Z-AZ faz parte do grupo Natural Cotton Color. A cooperativa de moda que baseia toda a sua produção no algodão da Paraíba — especial e único porque já nasce colorido, sem uso de corantes ou aditivos (certificado pelo Embrapa). O plantio e a colheita são organizadas por cooperativas no sertão da Paraíba e ajudam a manter os pequenos agricultores no campo. As rendas produzidas com linha branca, são tingidas com corantes naturais obtidos da casca de caju e de cebola e fazem composição harmoniosa com o algodão de tom rubi. A produção envolve 400 rendeiras organizadas em cinco associações no Cariri Paraibano.

Lavagem da Igreja do Bonfim, Olinda, PE

Todo segundo domingo de janeiro tem lavagem a lavagem da Igreja do Bonfim, em Olinda, PE. Para o Candomblé o ritual comemora e celebra um ano novo de paz. Este ano, quatro mulheres lavaram escadaria da igreja e, em seguida, uma água perfumada com alfazema e trazida em procissão foi jogada sobre as pessoas. Esta parte é o que atrai uma multidão de gente, já que a água serve para abençoar as pessoas. Até por isso o nome do evento é “toque das águas de Oxalá”.

Fotos garimpadas no Flickr

Faixa de renda com chita e bordados

Faixa de renda com chita bordada à mão

Faixa de renda com chita bordada à mão / VENDIDA

A moda pernambucana tem personalidade, vide a faixa bordada da atual coleção da designer Ester Bispo que há mais de uma década é figura obrigatória nos eventos de moda em Recife e Olinda.

Entre as suas criações, garimpamos o acessório feito de renda com stretch, super-confortável. Os bordados elaborados na chita recortada dão um toque regional à peça. O trabalho da Ester Bispo é sempre marcante porque “as pessoas deveriam ser mais ousadas na produção”, insistiu a estilista durante a X Fenearte. Ao que tudo indica, a peça vai agradar. A nossa modelo provou e aprovou na hora!

Faixa de cabelo feita à mão. Peça única. Peça agora!
Para saber custo de frete envie e-mail para babeldasartes@gmail.com

Veja outros acessórios no ÁLBUM DA BABEL DAS ARTES NO FLICKR

Vote em nosso BLOG! É só clicar no selo e confirmar por e-mail!


Fuxico, bordados e rendas continuam na moda

Apostando em uma fórmula que dá certo, o estilista Carlos Miele investe nos trabalhos artesanais para criar suas coleções. Na maioria de seus desfiles, ele aposta na brasilidade do fuxico como adorno atemporal em parceria com a Coopa-Roca, a Cooperativa das Costureiras da favela da Rocinha, no Rio de Janeiro. Em seu repertório consta também renda renascença, crochê, tye die, bordado com pedrarias e outros trabalhos artesanais. Afinal, o que é a alta-costura, se não artesanato?

“A expressão genuína do Brasil vende muito bem no exterior”, reforçou Miele em entrevista para um jornal de grande circulação.

coleção verão 2009, NY

coleção verão 2009, NY

verão 2008, RJ

primavera-verão 2008, RJ

I Semana de Moda na Casa da Cultura em Recife

A Casa da Cultura de Pernambuco realiza sua I Semana de Moda. Estão previstos no evento exposições, peça de teatro e desfiles. O seminário tem como tema a  importância do artesanato na moda regional e inclui o assunto a xilogravura na moda.

Participam do desfile modelos infantis, juvenis, adultos e da terceira idade vestindo cerca de 400 peças entre roupas e adereços produzidos a partir de fuxico, renascença e renda por lojistas da casa.

Haverá 13 estandes expondo peças de roupas, artesanato, decoração e culinária. A exposição acontecerá sempre das 9h às 19h.

I Semana de Moda da Casa da Cultura de Pernambuco. De 20 a 25 de abril.
Rua Cais de Detenção s/nº – Santo Antônio – Recife. Entrada Franca

Meias perdidas geram intercâmbio Brasil x França

meias-orfas11O que você faz quando perde uma meia? Joga fora o outro pé, certo? Nem todos fazem isso. Marcia Carvalho, estilista brasileira que vive há vinte anos em Paris resolveu criar roupas com meias solitárias. Não só as que encontrou na gaveta, mas também as que conseguiu com a vizinhança e com os amigos. A partir disso começou a pensar como disseminar a recuperação, a reutilização e criar novos usos para objetos que perderam a função para a qual foram produzidos. Assim, “Meias Órfãs” virou tema de um projeto que, entre outras ações, deve promover um intercâmbio sociocultural entre artesãos de Alagoas e estudantes brasileiros e franceses. Ganhou até apoio da Prefeitura de Paris e da Escola Internacional de Moda – ESMOD. A ideia é que a aprendizagem extrapole o design para alcançar aspectos antropológicos, sociais e econômicos, em uma perspectiva de desenvolvimento sustentável, permitindo a ampliação de horizontes para as partes envolvidas.
Na conclusão dos trabalhos haverá uma exposição, publicação de catálogo e documentário em vídeo, narrando o percurso do projeto, desde seu início.

meias-orfas61

http://anodafrancanobrasil.cultura.gov.br/br/2009/01/14/meias-perdidas-viram-alta-costura-francesa/

Algodão Colorido da Paraíba agora no Japão

algodaocoloridoparaibaPela primeira vez produtos confeccionados com o Algodão Colorido da Paraíba serão exportados para o mercado japonês. O contrato de produção foi fechado com duas pequenas empresas de João Pessoa durante a participação na feira de moda de Paris, na França. As lojas contam com parceria do Sebrae Paraíba, através do Projeto Moda Estilo Paraibano, além do apoio da Agência Brasileira de Promoção de Exportações e investimentos (Apex) e a Tex Brasil.
As peças serão vendidas em uma rede de roupas femininas localizada na cidade de Tókio.

Fonte: SEBRAE/PB

Foto realizada durante o 9º Salão de Artesanato Paraibano