Arquivo da categoria: arte popular

Exposição no RJ reúne presépios de vários artesãos brasileiros

Aproveite as férias de verão e visite no Rio de Janeiro o Centro de Referência do Artesanato Brasileiro, no Centro. Até o dia 30 de janeiro acontece a exposição de presépios com trabalhos de barro, madeira ou cerâmica feitos por artesãos de vários estados, entre eles, Arthur Pereira, de Cachoeira do Brumado, em MG; o seguidor de mestre Vitalino Adalto Lopes, de Niterói, no Rio, e Marliete, de Caruaru, PE. As peças fazem parte do acervo de João Maurício de Araújo Pinho, maior colecionador de arte popular do Brasil.

O Centro de Referência do Artesanato Brasileiro foi inaugurado em maio de 2009 e tem como missão conscientizar as pessoas da riqueza da arte popular brasileira. Além da atual área de exposições, até 2012, os três casarões históricos da Praça Tiradentes vão abrigar biblioteca, espaço para palestras e cursos, estoque e também uma loja.

Exposição Presépios – Centro de Referência do Artesanato Brasileiro
Praça Tiradentes, 71, Centro, Rio de Janeiro.
Telefone (21) 3380-1850 ou pelo e-mail crab@sebraerj.com.br.

Justiça determina que bares paguem direitos autorais a artistas

Na última semana, o Tribunal de Justiça de São Paulo aplicou a Lei de Direitos Autorais a favor de artistas, ao deferir liminar impedindo a constante execução de músicas sem licença autoral prévia praticada pelos bares Matrix (Trick Bar) e Fidalga 33, ambos localizados na Vila Madalena, bairro famoso pela concentração de bares e restaurantes na noite paulistana.

O autor da ação é o Escritório Central de Arrecadação e Distribuição (Ecad), instituição que trabalha na defesa dos direitos autorais de titulares de música como compositores, intérpretes, músicos, editoras musicais e gravadoras. Segundo a advogada do Ecad, Alessandra Vitorino, os bares acionados vem resistindo ao pagamento de direitos autorais aos artistas desde 2004.

A decisão, proferida pelo Juiz Luiz Otávio Duarte Camacho, da 4ª Vara Cível do Foro Regional de Pinheiros, foi baseada no artigo 105 da Lei de Direitos Autorais, que determina a imediata interrupção da execução de músicas sem autorização prévia.

A Lei do Direito Autoral vigente no país assegura que somente os autores têm o direito de utilizar, fruir e dispor de sua obra, bem como autorizar a sua utilização por terceiros. No caso de execução pública de músicas, a autorização para utilização é fornecida pelo Ecad, que é o representante legal dos titulares, mediante pagamento prévio da retribuição autoral.

Fonte: Maxpress

babeldasartes@gmail.com

1º Concurso Cachaça de Minas premia 14 marcas

Minas Gerais é o maior produtor de cachaça de alambique do país. O estado tem aproximadamente nove mil alambiques, produzindo cerca de 260 milhões de litros da bebida/ano, aproximadamente 500 marcas  registradas – 280 delas atuantes no mercado. Minas exporta hoje menos de 1% de sua produção.

O 1º Concurso Cachaça de Minas premiou o desempenho de 14 marcas. Realizado pela Federação Nacional dos Produtores de Cachaça de Alambique (Fenaca), sob a coordenação da Universidade Federal de São João del Rei (UFSJ), com o apoio do Governo de Minas, da Belotur e do Sebrae/MG. O concurso foi o primeiro no país a ser realizado estritamente em bases técnico-científicas. A premiação foi divida em três categorias “Nova/descansada”, “Armazenada/envelhecida” e “Premium”. As vencedoras receberam a medalha de mérito da qualidade com a qual poderão identificar as embalagens de seus produtos durante um ano, período de validade do concurso.

Confira as vencedoras:

Cachaça branca/Nova 1º Diva – Divinópolis, 2º Lucas Batista – Itabirito, 3º Monte Alvão – Itatiaiuçu, 4º Jacuba – Coronel Xavier Chaves, 5º Mandacaru – João Pinheiro

Cachaça envelhecida/Armazenada 1º Pirapora – Pirapora, 2º Branquinha de Minas – Claro dos Poções, 3º Engenho doce – Passa Quatro, 4º Prazer de Minas – Esmeraldas, 5º Bueno Brandão – Bueno Brandão

Cachaça Premium 1º Áurea Custódio – Ribeirão das Neves, 2º Topázio – Entre Rios de Minas, 3º Prazer de Minas- Esmeraldas, 4º Rainha das Gerais – Curvelo

babeldasartes@gmail.com

Dia 17 começa o 11º Salão de Artesanato Paraibano

No próximo sábado começa o Salão de Artesanato Paraibano com o tema ‘Mãos de Fibra’, numa alusão à matéria-prima abundante no litoral do Estado. O evento abrirá diariamente das 16h às 22h até o dia 17 de janeiro e a entrada é gratuita. O Salão envolve 438 artesãos que representam ao todo cerca de 4.500 pessoas envolvidas com artesanato no Estado da Paraíba.

A cada edição um mestre local é homenageado. Este ano o tema ‘Mãos de Fibra’ destaca a mestra Zefinha de Pitimbu, que há 40 anos lida com a fibra do talo da folha do coqueiro. Ela já ensinou o trançado a dezenas de mulheres. Outras tipologias reunidas na mostra são: madeira, couro, pedra, metal, fios, rendas e bordados, tecelagem, algodão colorido, brinquedos populares, artesanato indígena, cordel, cerâmica e gastronomia típica.

O salão reúne a arte popular da Paraíba no Espaço Cultural José Lins do Rego, no bairro de Tambauzinho. Para facilitar o acesso ao local do evento, cinco vans farão transporte gratuito e estarão disponíveis para os turistas nos principais hotéis da cidade.

Hoje tem I Encontro de Cocos do Nordeste

casal coco de Fabio Smith

O I Encontro de Cocos do Nordeste reúne mestres, cantadores, tocadores e dançadores de diversos municípios da Paraíba e Pernambuco, além de grupos convidados do Rio Grande do Norte, Ceará e Alagoas, será realizado em João Pessoa entre os dias 10 e 12 deste mês.

De quinta a sábado, a partir das 20h00 e no domingo, a partir da 16h00, os grupos se apresentam no Busto de Tamandaré e Praça Antenor Navarro. Palestras, debates, exposição de fotos, exibição de vídeos e apresentação pública dos grupos consta da pauta da programação do evento que acontece nas manhãs e tardes do dia 10/12 a 12/12, no Hotel Ouro Branco , em Tambaú.

10 dicas de presentes de Natal por menos de R$ 40

Porta-cédulas de chitão feito no tear R$ 24

Gato colorido de papel machê R$ 22

Vaso cerâmica com temática rupestre R$ 38

Carteira palha de buriti com flor de algodão R$ 33

Sachê perfumado bordado à mão R$ 20

Colar de madeira com contas de algodão R$ 36

Mini-carteira de tecido com fuxicos R$ 25

Boneca de barro Lucineide Guilhermino Tamanho P R$ 35

Banco de madeira com 12 unidades de lápis de cor R$ 22

porta-guardanapo-madeira

Porta-guardanapos de mdf com flor de escamas de peixe R$ 38

A Babel das Artes está repleta de opções para presentes. São peças exclusivas, artesanais — feitas à mão com muito capricho. Entre as sugestões, boneca de barro da artista paraibana Lucineide Guilhermino (premiada em 2008 e 2009). Há também acessórios de moda como colares artesanais e carteiras de palha de buriti, de chita e de tecido com fuxico.  Tem ainda utilitários como o porta-guardanapos e objetos decorativos como o vaso de cerâmica com temática rupestre e ainda pequenos mimos como o sachet perfumado bordado à mão. Sim, há muitas opções para quem quer presentear com economia com produtos diferenciados, inclusives toy art e lápis coloridos para crianças.  Visite nossa loja virtual (é só clicar no selo abaixo)

babeldasartes@gmail.com

Exposição cerâmica de Maragogipinho/BA no Rio de Janeiro

Ibá - conjunto de panela, bacia e sete pratos

Exposição e venda de cerâmica utilitária e decorativa de Maragogipinho, BA. São potes, porrões, talhas, panelas, pratos, moringas, alguidares, bois-bilhas, lajotas, incensadores, caqueiros (vasos para plantas), mealheiros (cofres para moedas), quartinhas e outros artefatos de mestres oleiros que, há mais de meio século, se dedicam à transformação do barro em objetos.

Feitos um a um, de diferentes tamanhos, decorados com tauá, o barro vermelho depurado, com refinado acabamento de textura lisa, e pintados com motivos florais em tabatinga, a argila branca, os objetos ultrapassam sua função utilitária para se constituírem, sobretudo, em peças decorativas.

Centro Nacional de Folclore e Cultura Popular
Rua do Catete, 179 (metrô Catete), Rio de Janeiro, RJ
Sala do Artista Popular “Maragogipinho e a tradição do barro”
Inauguração: 10.12.2009, às 17h/até 17.01.2010
Exposição e venda: de terça a sexta-feira, das 11 às 18h
sábados, domingos e feriados, das 15 às 18h

Gataiada: gatos, gatinhos e gatões coloridos de papel machê

Gato não deixa ninguém indiferente. Tem um ou outro que não curte de jeito nenhum, mas há pessoas que têm verdadeira adoração pelos bichanos. O Bruno, que criou uma linha de bichos de papel machê, é um destes alucinados por gatos. Ele faz os os felinos de todo o tipo. De pé, enrolado, arrepiado… A variedade torna difícil a escolha de um exemplar pelos apaixonados. Quem entra na Babel das Artes fica um tempão flertando com os gatos até escolher uma, duas ou três peças.

Estes exemplares acabaram de chegar! Escolha o seu porque eles fogem da vitrine rapidinho… Mais opções logo estarão na loja virtual (www.elo7.com.br/babeldasartes)

Gatos coloridos de papel machê

Variedade de gatos ultracoloridos

Cabeça maquiada modelada com barro

Todas as cabeças criadas por D. Figueiredo são inspiradas em Frida Khalo. As peças, modeladas à mão, são feitas de barro. Depois de maquiadas, pedras e arame tornam-se adereços necessários para suprir o desejo e vaidade da mulher. (clique nas fotos para ampliar)

Informações, preço e custo de frete babeldasartes@gmail.com

Visite a loja virtual Babel das Artes (clique aqui)

Graduação em Viola Caipira e Acordeon

A Faculdade Cantareira, situada em São Paulo, SP, abriu dois novos cursos em 2010: graduação em Viola Caipira e Acordeom. Aída Machado, coordenadora pedagógica do curso superior de Música, declarou que a universidade tem um papel fundamental ao estudar, divulgar e reconhecer o amplo e diverso espectro do universo da música e da cultura popular.

O curso de Viola Caipira desenvolverá com o aluno todas as etapas da viola brasileira (dez cordas), com aulas práticas de técnica, leitura, linguagem tradicional da viola, repertório e estudos dirigidos de arranjo e interpretação. A graduação em Acordeon deve estar voltada principalmente para as tradições populares, mas também haverá estudo de música erudita.

Fonte: revista Globo Rural