Arquivo da tag: documentário

Documentário sobre último retratista lambe-lambe vivo de Pernambuco

Com direção de Luiz Santos, o filme-documentário “Cinema de dois tões” aborda a atuação de Antônio Monteiro Góis, o Tonho Ceará, último retratista lambe-lambe vivo de Pernambuco. A exibição faz parte da programação do Assacine da ABD-PB, realizado na Usina Cultural Energisa, dia 28, às 20h. O protagonista do filme estará presente no evento.
A realização do Assacine é da Agência Ensaio em parceria com a ABD-PB e a UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA (COEX).

Usina Cultural Energisa – Rua Juarez Távora 243 | Torre | João Pessoa-PB

Anúncios

Documentário “Lixo Extraordinário” com Vik Muniz é prêmiado em Berlim

Vik Muniz - foto BR Press

O documentário “Lixo extraordinário” (“Waste land”) acaba de ganhar dois prêmios no Festival de Cinema de Berlim (a Berlinale): um de audiência e outro da organização de defesa dos direitos humanos Anistia Internacional (AI).

Com direção conjunta dos cineastas João Jardim e Karen Harley e da documentarista inglesa Lucy Walker, e produção executiva de Fernando Meirelles, “Lixo Extraordinário” foi filmado entre os anos de 2007 e 2009 e mostra trajetória do lixo dispensado no maior aterro sanitário da América Latina, em Duque de Caxias (RJ), até ser transformado em arte pelas mãos do artista plástico Vik Muniz e seguir para exposições internacionais.

Vik Muniz fotografou as pessoas que ganham a vida catando materiais recicláveis e com a ajuda delas criou versões gigantescas de pinturas famosas, como “JL David A Morte de Marat”, JF Millet “O Semeador”, P. Picasso ‘s “Mulheres engomar” ou Atlas Il Guercino’s “.
As fotos resultaram na série “Imagens do Lixo” (2008) e a maior parte da dinheiro arrecadação com o leilão das obras foi revertido para a cooperativa de catadores do Jardim Gramacho, onde fica o aterro.

Marat (Sebastião) foi leiloada por mais de R$ 77 mil

Outros post sobre Vic Muniz aqui e aqui

Documentário e exposição sobre os Anos de Chumbo em Recife/PE

O Centro Cultural Correios exibe, a partir de 19 de dezembro, o curta digital e a exposição “Seja Realista, Peça o Impossível”, de Ana Patrícia Vaz Manso, que acumula os créditos de roteirista, diretora e curadora.

O Curta e a Exposição foram produzidos com a temática dos anos de chumbo da Ditadura Militar no Brasil, relembrando a Utopia, as lutas e a busca da Democracia e do direito à Liberdade de Expressão e da Garantia dos Direitos fundamentais.

O trabaho foi pensado e desenvolvido a partir de uma pesquisa em diversos jornais, revistas, livros, filmes, assim como através da coleta de informações com Cientistas Políticos como Túlio Velho Barreto e com artistas e pessoas que vivenciaram este período como o Artista Plástico Abelardo da Hora, o Jornalista Marcelo Mário Melo e o Médico e Vereador Luciano Siqueira.

A abertura acontece no sábado (19/12), às 19h, no Centro Cultural Correios, Av Marquês de Olinda, 262, Recife Antigo.

Pichadores brasileiros são destaque na França

Djan Ivson, 25, conhecido como Cripta, foi convidado a pichar a Fundação Cartier, como parte da mostra “Nascido nas Ruas – Grafite”. Ele começou a fazer pichação os 12 anos e parou em 2004, quando passou a apenas registrar a ação de seus colegas em vídeo. São dele quase metade das imagens do documentário “Pixo”, dos irmãos Roberto T. Oliveira e João Wainer, que também será exibido na retrospectiva mundial sobre grafite. A pichação paulistana será a novidade da exposição. A mostra é, na verdade, registro histórico do movimento, com homenagens a Basquiat e Haring.

Bookmark and Share

“Garapa” estimula debate sobre a fome e o direito à alimentação

garapaO jornal Folha de São Paulo promoveu na última segunda-feira (18) a pré-estreia do filme “Garapa”, de José Padilha, seguida de debate sobre a fome, que é o tema do documentário. O debate reuniu em São Paulo o diretor, o jornalista Gilberto Dimenstein e o ex-presidente do Conselho Nacional de Segurança Alimentar e Nutricional (Consea), Chico Menezes, diretor do Instituto Brasileiro de Análises Sociais e Econômicas (Ibase).

Nesta terça-feira (19), o jornal O Globo também promove uma sessão seguida de debate. Quinta-feira (21) o documentário será exibido em Fortaleza, Ceará. No dia 26 (terça-feira), haverá a pré-estreia em Brasília, em sessão para 300 convidados. Na quinta (28), será a vez de Salvador.

O filme está promovendo a campanha nacional pela aprovação da Proposta de Emenda à Constituição, que inclui em direitos sociais o Direito Humano à Alimentação que ainda não existe na Constituição .

Garapa é a mistura de água com açúcar que as mães dão para as crianças para acalmar a fome. Saiba mais sobre o documentário “Garapa”.

Fonte: Assessoria de Comunicação Consea

Estréia de documentário sobre Dorothy Stang

Hoje, 17 de abril, estréia nos cinemas de São Paulo, Rio de Janeiro, Brasília e Belém, o documentário “Mataram Irmã Dorothy”. O título trata do brutal assassinato da freira americana Dorothy Stang, 73 anos, morta com seis tiros, em 2005, em Anapu, no interior do Pará.

Narrado pelo ator Wagner Moura, o filme revela bastidores do controvertido julgamento dos assassinatos da missionária americana, que teve novos desdobramentos na última terça-feira, quando a justiça anulou o caso e pediu a prisão de Vitalmiro Bastos, o Bida, apontado como suposto mandante do crime.

O longa-metragem, de 94 minutos, também investiga as razões da morte da freira, bem como sobre os verdadeiros mandantes do crime. Ano passado, “Mataram Irmã Dorothy” venceu o Prêmio do Público e Grande Prêmio do Júri no Festival South by Southwest; recebeu menção honrosa do júri no FIC Brasília; e participou das seleções oficiais do Festival do Rio e Mostra Internacional de São Paulo.

O documentário é dirigido pelo americano Daniel Junge.

fonte: CIMI – Conselho Indigenista Missionário

Estréia mundial de documentário sobre a fome

garapa“Garapa”, de José Padilha, estreou ontem na seção Panorama da Berlinale, em Berlim, na Alemanha. Para produzir o filme, o diretor conviveu durante um mês e meio com três famílias pobres do Nordeste.
Para quem não sabe, “Garapa” é o nome da água açucarada que as mães dão aos filhos quando não há outra coisa para acalmar a fome. Para Padilha, apesar de ter sido feito no Ceará, o filme não é local. Afinal, o problema da fome e da miséria não é apenas nordestino nem brasileiro, é mundial. No entanto, é bom escancarar como estamos por aqui.

A pobreza, segundo o Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea), é a situação das pessoas que vivem com metade do salário-mínimo. Indigente é aquele que vive com um quarto do salário-mínimo. Um estudo de 2008 do Ipea indica que há atualmente no Brasil 11 milhões de pobres (eram 15 milhões em 2003) e 3 milhões de indigentes (eram 6 milhõs em 2003).

No ano passado, Padilha venceu o festival de Berlim com o violento “Tropa de Elite” e agora concorre com a fome e a miséria em “Garapa”. São nossas mazelas rendendo prêmios. É isso aí: a gente não quer só comida.