Arquivo da tag: josé lourenço

Hoje é o Dia Mundial da Fotografia

Neste Dia Mundial da Fotografia, apresentamos a obra denominada “Lambe-Lambe”, série de xilogravuras do artista cearense José Lourenço.

São 15 cenas, impressas em 2008 e agrupadas em uma embalagem “De Luxo” onde o artista popular retrata o “passo-a-passo” do profissional quase extinto: o Lambe-Lambe — o guardião da memória e cronista visual da comunidade. As imagens abordam desde o cenário, a preparação para a foto como “penteando o cabelo” até a revelação e ampliação em monóculo ou papel. Tudo devidamente seriado e assinado pelo artista. Além do resgate da memória desta prática cultural, a série é limitada a tiragem de 100 kits. Arrematamos o final e temos apenas oito.

Clique para ampliar

Lambe-lambe embalagem "De Luxo"

São 15 cenas do cotidiano do Lambe-lambe

São 15 cenas do cotidiano do Lambe-lambe

Cenário para fotografia

Cenário para fotografia

Momento do clique e flash

Momento do clique com "explosão"

Revelação

Revelando e ampliando

Monóculo. É do seu tempo?

Monóculo. É do seu tempo?

As pessoas na sala de jantar

As pessoas na sala de jantar

José Lourenço revelou ter vendido as matrizes da xilo (em madeira) para um fotógrafo-turista-gringo que passou pelo Ceará. Apostamos que é um grande presente para quem é fã de fotografia. Pode ser considerado também um investimento já que o artista é referência brasileira na técnica de xilogravura.

Escreva pra nós! Envie seu CEP para cálculo do frete para babeldasartes@gmail.com

Anúncios

Clientes de SP foram indicados por amigos

martha+luizfernandoO boca-a-boca da Babel das Artes está funcionando! Os paulistas Martha e Luiz Fernando vieram pela primeira vez à João Pessoa/PB e adoraram a tranquilidade e a beleza do lugar. Visitaram a Babel das Artes por indicação de amigos de São Paulo.

Levaram um trabalho do pernambucano Paulo Caldas e um naïf da pintora paraibana Analice Uchôa. Fã do americano Robert Crumb*, Luiz viu semelhança de seus traços com as xilogravuras do cearense José Lourenço. Martha também levou uma camiseta em algodão colorido com estampa criada por José Altino — uma exclusividade Babel das Artes.

* Robert Crumb é um festejado autor de histórias em quadrinhos underground, internacionalmente conhecido por ter feito, entre outros trabalhos, a capa do lendário álbum Cheap thrills, do Big Brother & The Holding Company, com Janis Joplin nos vocais. Atualmente, as obras do artista podem ser vistas penduradas em casas de milionários ao lado de Pablo Picasso, David Hockney ou polaróides de Andy Warhol.

Vote em nosso BLOG! É só clicar no selo e confirmar por e-mail!


Do berço da xilogravura, a arte de José Lourenço

A grande Juazeiro do Norte/CE, é mais conhecida pela movimentação turística dos devotos do Padre Cícero, mas é o ilustre berço da xilogravura nordestina.

As primeiras manifestações da arte na cidade são consequência da vinda do entalhador italiano Agostinho Balmes Odísio para esculpir as portas da igreja matriz da cidade. Assim, uma geração de artesãos se entusiasmou e se formou na arte de esculpir portas, guarda-roupas e santos para atender a demanda dos romeiros. Com a arte dos santeiros e tipografias improvisadas Agostini ensinou também o entalhe de matrizes de madeira para a impressão de títulos para o jornal do Padre Cícero e de rótulos de produtos fabricados pela indústria no vale do Cariri. Mas a fase áurea da Xilogravura veio mesmo nos anos 40 e 50 com a propagação do Cordel.

jose-lourenco-xilogravura2O consumo da literatura de cordel era tanto que chegou a 24 mil exemplares impressos por dia. “A Morte de Getúlio”, de Francisco Minelvino da Silva, chegou a vender 200 mil exemplares em uma semana. Os folhetos eram distribuídos para todo o Brasil, direto de Juazeiro. Esse contexto marcou o auge da xilo até que, nos anos 60, caiu em desuso. A indústria cultural e seus mocinhos e vilões de novelas v’ao ocupando o imaginário do povo.

A arte sobrevive como a arte de resistência. José Lourenço, entre outros, figuram como xilógrafos que marcam época e contribuem para a solidez de uma atividade morta e ressuscitada. Ele reclama para si a criação da impressão da xilogravura sobre azulejos. Ele compartilhou os segredos da técnica através de oficinas como convidado em eventos sobre Cordel e Xilogravura. Todo mundo aprendeu, mas ninguém tem o mesmo capricho que ele, que faz capas de papel craft com reprodução das mesmas imagens impressas na cerâmica (foto acima).

Azulejo 15 x 15: R$ 20 + frete

Azulejo Lampiao e Maria Bonita (15 x 15): R$ 20 + frete ESGOTADO

Azulejo São Jorge (15 x 15): R$ 20 + frete

Azulejo São Jorge (15 x 15): R$ 20 + frete ESGOTADO

Além dos azulejos, outras obras de José Lourenço estão disponíveis na Babel das Artes. Temos a série limitada — “A História do Lambe-Lambe”, que pode se tornar rara, já que o artista vendeu a matriz para um estrangeiro.

Fonte: 100 anos de xilogravura e Diário do Nordeste.